quarta-feira, 19 de abril de 2017

Capítulo 46: “És a humanização do que sonhei para mim”


-Não sei se terei coragem de voltar a olhar para os
teus pais, depois de lhes contarmos que estou grávida.

-Achas que os meus pais não têm o mínimo de ideia que o fazemos?

-Vocês até podem falar sobre isso, mas é estranho para mim. Toda esta história de falar sobre dormirmos juntos, incomoda-me falar, entendes?

-Ainda é tudo demasiado recente para ti. Mas tens que te mentalizar que agora todas as pessoas vão saber, afinal estás grávida e não é do Espírito Santo.

-Mas pudemos dizer que sim, ou achas que ninguém acredita?

-Acho que ninguém acreditaria em ti. – Deu-lhe um beijo na cabeça. – Além do mais, eu também quero ser pai, não vou deixar que outro seja pai do meu filho.

-Acho que serás o melhor pai para o meu filho. – Fábio deu um abraço forte à namorada e um beijo sobre a barriga. – Tens preferência num bebé rapaz ou numa bebé?

-Tenho um feeling que será um menino.

-Eu acredito que será uma menina, só para te contrariar.

-Senão me contrariasses, não te amava tanto.

-Ainda me amas mais?

-És uma convencida, sabias?

-Vais dizer que é mentira?

-Pelo contrário, agora ainda te amo mais. E vou amar até ao resto da minha vida.

-Fábio, mas eu tenho medo. Ainda estou grávida de tão pouco tempo e ouve-se tantas histórias de abortos espontâneos até às 12 semanas, que eu tenho medo. Eu simplesmente não aguentava a dor de perdê-lo.

-Vamos fazer uma promessa, sim? – Rita acenou com a cabeça. – Vais ter o dobro do cuidado daqui para a frente, principalmente nestes próximos 2 meses, e nada de mal vai acontecer, vamos acreditar nisso, sim?

-Obrigada por me amares. – Apesar do frio que se fazia sentir, o seu coração parecia bem e aquecido por aquele momento, e em particular por aquele homem. – E por aturares os meus ataques de ciúme, de mau feitio e de dúvida, por não me abandonares e também por seres um bom pai para o meu filho.

-E obrigada por não desistires desta relação e por me deixares ser o pai para o nosso filho mesmo depois de falar em … - Rita colocou o dedo sobre a boca de Fábio, impedindo-o de continuar a conversa.

-Esse assunto está morto e enterrado.

-Mas eu devo-te uma explicação, Rita. Quero explicar-te tudo direitinho.

-Devo ter cuidado durante a gravidez, especialmente nestes próximos 2 meses, e esse assunto dá-me a volta ao estômago, talvez daqui a uns tempos, pode ser?

-Se achas que é o melhor para vocês, tens todo o meu apoio.

-Fábio, que achas de sairmos daqui? Gostava de fazer-te um miminho de reconciliação em casa.

-Porque soou a perversidade?

-Simplesmente porque tu és um perverso! – Riram-se. – Está frio, quero preparar um chá ou um leite quente para nós bebermos e umas torradas, um jantar romântico, mas em forma de ceia e à luz das velas. Uma ceia de reconciliação.

-E se eu te dissesse que não jantei?

-Vamos para casa e eu preparo-te algo para jantar, não podes estar tanto tempo sem comer.

-Tudo o que me parece feito pelas tuas mãos, parece-me fenomenal para se comer. Tens tido alguns enjoos?

-Por estranho que pareça, não. Pensava que os nervos me dessem para vomitar, mas não, apenas fico maldisposta.

-Estou ansiosa por ver essa barriga crescer!

-E estás ansioso por aturar as minhas hormonas descontroladas?

-Nem por isso, mas estou disposto a perceber como serás. Tenho a certeza que será como andar sobre areia movediça.

-Vou tentar controlar-me, mas a adolescência e a gravidez vão falar demasiado alto, por vezes.

-Amo-te, apesar disso e de tudo o resto, sabias?

-Da mesma forma que te amo?

-Um milhão de vezes mais.

Rita deu um beijo nos lábios de Fábio e ele começou a cantar uma canção.

What would I do without your smart mouth (O que faria sem a tua boca esperta?)
Dragging me in and you kicking me out (Estou a arrastar-me e tu estás a dispensar-me)
Got my head spinning, no kidding (Tenho a cabeça à roda, sem brincadeira)
I can't pin you down (Não te posso forçar a nada)
What's going on in that beautiful mind (O que se passa na tua cabeça bonita?)
I'm on your magical mystery ride (Estou a passar pelo teu mágico mistério)
And I'm so dizzy, don't know what hit me (E estou tão confuso que não sei o que me atingiu)
But I'll be alright (Mas vou ficar bem)

My head's under water (A minha cabeça está debaixo de água)
But I'm breathing fine (Mas estou a respirar bem)
You're crazy and I'm out of my mind (Tu és louca e eu estou fora de controle)

'Cause all of me (Porque tudo de mim)
Loves all of you (Ama tudo de ti)
Love your curves and all your edges (Amo as tuas curvas e os teus limites)
All your perfect imperfections (Todas as tuas perfeitas imperfeições)
Give your all to me (Dá-me tudo de ti)
I'll give my all to you (Eu dou-te o meu todo)
You're my end and my beginning (Tu és o meu fim e o meu começo)
Even when I lose I'm winning (Mesmo quando estou a perder, estou a ganhar)
'Cause I give you all of me (Porque te dou tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de ti)

How many times do I have to tell you (Quantas vezes tenho de dizer-te)
Even when you're crying you're beautiful too (Mesmo quando tu choras, continuas linda)
The world is beating you down (O mundo está a massacrar-te)
I'm around through every mood (Estou por perto a todo o momento)
You're my downfall, you're my muse (Tu és a minha ruína, és a minha musa)
My worst distraction, my rhythm and blues (A minha pior distração, o meu ritmo e tristeza)
I can't stop singing (Não consigo parar de cantar)
It's ringing, in my head for you (Está a tocar uma música na minha cabeça para ti)

Cards on the table, we're both showing hearts (As cartas estão na mesa, estamos a mostrar os nossos corações)
Risking it all, though it's hard (Arriscar tudo, apesar de ser difícil)

'Cause all of me (Porque tudo de mim)
Loves all of you (Ama tudo de ti)
Love your curves and all your edges (Amo as tuas curvas e os teus limites)
All your perfect imperfections (Todas as tuas perfeitas imperfeições)
Give your all to me (Dá-me tudo de ti)
I'll give my all to you (Eu dou-te o meu todo)
You're my end and my beginning (Tu és o meu fim e o meu começo)
Even when I lose I'm winning (Mesmo quando estou a perder, estou a ganhar)
'Cause I give you all of me (Porque te dou tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de ti)

I give you all of me (Dou-te tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de mim)

-Senão te amasse tanto, dir-te-ia que acabaste de estragar uma música linda.

-Lamento informar-te, mas também não és propriamente a Shakira.

-Mas o que importa é o sentimento, não é verdade?

-Podes crer. – Deram um beijo à esquimó. – Vamos para casa.

-Sabes que me vou sentar no teu carro e vou rir-me
que nem uma maluquinha ao lembrar-me que foi ali que fizemos o nosso filho.

-Acho que vamos deixar este pormenor vamos deixar apenas para nós, que te parece?

-A melhor ideia! - Sorriram e continuaram o caminho para o carro. – E acho que devias fazer uma limpeza ao interior do carro, só por acaso.

-Acho que é melhor deixarmos isso para quando tiveres no final da gravidez e termos a certeza que não entramos em pecado.

-E a provocadora sou eu! – Sentaram-se no carro e a rapariga começou a rir-se. – E se voltas a insinuar que isto é só sexo e festa, aviso-te já que ficas duas semanas a pão e água.

-Não me resistirias durante tanto tempo.

-Caso não te lembres, desde que nos conhecemos até que ficaste com o meu bem mais precioso, passou mais de 1 mês.

-Mas isso era antes de conhecer, o sabor do fruto proibido. Depois de provares não queres outra coisa.

-Convencido.

-É mentira?

-Vou cantar-te uma música que se adapta bem ao que acho.

You know just what to say (Tu sabes exatamente o que dizer)
Things that scare me (Coisas que me assustam)
I should just walk away (Eu devia apenas afastar-me)
But I can't move my feet (Mas não consigo mexer os meus pés)
The more that I know you (Quanto mais te conheço)
The more I want to (Mais quero)
Something inside me's changed (Algo dentro de mim mudou)
I was so much younger yesterday (Eu era bem mais nova ontem)

I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)
Don't need no butterflies (Não preciso de borboletas)
When you give me the whole damn zoo (Quando tu me dás todo o zoo)
By the way (Já agora)
By the way, you do things to my body (Já agora, tu fazes coisas com o meu corpo)
I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)

By the way, by the way, you do things to my body (Já agora, já agora, tu fazes coisas com o meu corpo)
I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)

You know just how to make (Tu sabes exatamente como o fazer)
My heart beat faster (O meu coração bate rápido)
Emotional earthquake (Terramoto emocional)
Bring on disaster (Podes trazer o desastre)
You hit me hard and got me weak on my knees (Atingiste-me em cheio e deixaste-me com os meus joelhos fracos)
And something inside me is changed (E algo dentro de mim mudou)
I was so much younger yesterday (Era bem mais nova ontem)
So much younger yesterday (Bem mais nova ontem)

-Por estares tão faminta, é que acabaste grávida.

-Por seres tão apetecível é que acabei grávida.  

-Este charme nasceu comigo, o que posso fazer?

-Isso é mentira, já vi fotos tuas quando eras mais novo e não eras o gato que és hoje.

-Sou como o vinho do Porto, quanto mais velho, melhor!

-Espero que o nosso filho não saia a ti quando em criança, mas que seja lindo como a mãe sempre foi e será.

-Que tenha a fome da mãe, porque ter bocas como eu a comer, seria um prejuízo enorme.

-Por falar em fome…

-Tens fome, não é verdade?

-Alguma vez, não terei?

-Vou preparar qualquer coisa para jantares.

-Mas tens de comer comigo, quero a minha mulher e o meu filho bem alimentados!

-Está descansado, Fábio Rafael! E já agora, adorei chamares-me a tua mulher!

-Só porque não somos casados, não quer dizer que não sejas a minha mulher.

-E tu pediste-me em casamento e eu mandei-te dar uma curva, lembras-te?

-Já me destes tantas negas que já perdi a conta das vezes!

-Não quero casar-me com 18 anos, aliás não faço questão e não quero casar antes dos 25 anos.

-Mas pudemos ficar noivos agora e só pensar nisso daqui a uns anos.   

-Vamos aproveitar do nosso namoro ao máximo, sou da ideia que quando sentirmos que é o momento certo para dar esse passo, tu vais perceber e pedir-me em casamento.

-Queres ser pedida em casamento? Como manda a tradição?

-Sim, quero tudo a que tenho direito. – Sorriu. – E antes de me pedires em casamento, quero que fales com os meus pais, não porque sou antiquada, mas porque tu prometeste que ias ser só meu amigo e avisaste quando me pediste em namoro, portanto avisas aquando o casamento.

-Então também devia ter dado a notícia que te engravidei.

-Eles acabaram por descobrir. E tenho medo dessa conversa que tenha com eles, por um lado vão chorar, mas também vão dizer que devíamos ter tido cuidado e vão falar-me em aborto e noutras opções e eu não sei se terei coragem para dizer o que quer que seja quanto ao meu filho.

-Será uma conversa a quatro, Rita. Nem devíamos considerar esta gravidez um erro, mas sim uma dádiva, quantos pais queriam ter filhos e não os conseguem ter? Nós somos uns sortudos porque aconteceu e tenho a certeza que seremos os melhores pais que conseguirmos e soubermos, vamos ter o apoio dos nossos pais e com o tempo vamos aprender tudo o que precisarmos, ninguém nasceu ensinado. Claro que os nossos pais vão explicar todas as ideias deles, pôr as ideias em cima da mesa, mas é uma opinião deles, a nossa vale muito mais, a última decisão é nossa e só nossa.

-Gostava de ter a tua confiança e a tua garra por lutares pelo nosso filho contra quem amamos tanto.

-Achas que estou calmo e sereno com a ideia? Estou numa pilha de nervos! Nunca me senti tão nervoso na minha vida, mas foi a nossa conversa e a tua vontade de ser mãe e de formarmos a nossa família que me faz crer lutar assim.

-É por isso que te admiro, por todas as tuas qualidades e por todos os teus defeitos, por tudo o que és para mim e por nós. Porque não és o homem dos meus sonhos, mas és a humanização do que idealizei para mim.

-E tu és a mulher com que eu sempre sonhei, mas nunca pensei vir a ter.

-Amo-te! -  Deram um beijo. – Mas já chega de mel, põe a mesa para os dois.

-Hormonas?

-Tens sorte de não começar a chorar com as tuas declarações de amor!

-Tu é que te declaraste primeiro!

-Quem tentou dar o primeiro beijo? Tu! Quem deu o primeiro beijo? Tu! Quem se declarou primeiro? Tu! Quem pediu em namoro? Tu! Portanto, a culpa é tua e somente tua!

-Depois do jantar, eu dou-te o arroz! – Disse o rapaz provocando-a e sorrindo.

-Espero bem é que me dês quente na tua cama, estou gelada!

-Tu és gelada! - Corrigiu. – Confesso que te amo, mas nestes dias gelados adorava que não dormisses comigo.

-Estás a habilitar-te a ires dormir para o sofá.

-Estou em minha casa e ainda tenho de ir dormir fora da minha cama?

-Tens a cama no outro quarto, não precisas de dormir no sofá. E já agora, quando o nosso bebé nascer, será a nossa casa.

-Estou ansioso por esse dia.

-Pelo dia em que não terás espaço para dormir porque tens um pequeno na cama também? Ou porque terás de acordar a meio da noite para lhe mudar a fralda? Ou mesmo antes disso, em que tenha uma barriga tão grande que não terei posição para dormir e vais ficar apertado na cama?

-Nesse dia compro uma cama maior porque não quero deixar de dormir contigo por nada.

-Anda comigo para a cama, quero mimar-te.

-Temos de levantar a mesa primeiro.

-Amanhã tratamos disso, agora vamos aproveitar para matar saudades. – Deu-lhe a mão e levou-o até ao quarto, onde mataram saudades…


Como será a conversa com os pais de Rita?

E com os pais de Fábio? Será que vai correr bem?

terça-feira, 14 de março de 2017

Capítulo 45: “Não tens de pedir-me desculpa por fazeres de mim a mulher mais feliz do mundo!”



Não conseguiu, nem conseguiria esconder que tivera a chorar. O sofrimento estava bem visível nos seus olhos e mesmo que tivesse escuro, ela iria sempre sabê-lo. Além do grande amor que os unia existia também uma enorme amizade e isso tornava-se notório em momentos assim.

-Este sítio faz-me pensar.
-Foi nesta praia que tudo começou.
-Não. -  Corrigiu-a. - Tudo começou quando me foste oferecer pizza a casa, ou antes disso mesmo, quando decidi mandar-te aquela mensagem no Facebook.
-Parece que foi à tanto tempo mas na verdade foi à um par de meses.
-Cinco meses. - Sorriu. - Nestes cinco meses já vivemos tanto que me custa acreditar.
-E vamos viver muito mais.
-Não queres acabar tudo comigo por causa do que disse do bebé?
-Não. - Sentou-se ao lado dele. - Quero ouvir-te dizer porque mudaste de opinião.
-Queres sentar-te aqui entre as minhas pernas? Assim tenho a certeza que não passam tanto frio.
-É por causa disto que nunca conseguiria ficar chateada contigo durante muito tempo. -  Ambos sorriram e Rita sentou-se entre as pernas dele e sentiu-se mais quente e confortável, estava novamente no seu porto de abrigo. Aquele corpo parecia ter sido moldado exclusivamente para si e isso fazia-a pensar que não poderia desistir dele por qualquer motivo, haveriam sempre de arranjar uma solução. - Nunca chegarei ao pé de ti e colocar um ponto final na nossa relação, se alguma vez chegarmos a esse ponto quero que seja por decisão dos dois.

-Amo-te. - Sussurrou-lhe ao ouvido e ela tremeu. - Vai tremer para o resto da tua vida quando te sussurrar esta palavra ao ouvido. Amo-te. Amo-te. Amo-te. - Dito isto deu-lhe um beijo na testa e abraçou-a à volta da sua barriga. - Amo-vos.
-Eu amo-te e tenho a certeza que este bebé também te ama. - Deu-lhe um beijo no nariz. - Mas acho que é importante falarmos com calma sobre este assunto.
-Com o Pedro à tua espera? E convosco ao frio?
-Tens sempre pelo menos um casaco a mais no carro e podia sempre ir falar com o Pedro para ir para casa para falarmos.
-A tua teimosia aumentou com a gravidez ou é impressão minha?
-A questão que se coloca é: será que vai aumentar com a barriga?
-Fico ansioso à espera.
-Vou avisar o Pedro para ir andando para casa dele que tu já me levas lá.
-Não vais para tua casa?
-Longa conversa para outra altura.
-Queres saber porque falei em aborto é isso? - A palavra aborto era desagradável desde que sabia o significado da palavra mas desde que soubera que tinha um bebé que, provavelmente ainda tinha apenas o tamanho de um feijão, que a magoara mais e lhe dava vontade de chorar só de pensar na ideia de pôr o termo à vida a um filho seu.
-Quero que me contes tudo o que sentiste, pensaste e mexeu contigo desde que te dei a notícia que estava grávida.

Saíram ambos do local onde estavam e enquanto Fábio ia ao carro buscar um agasalho ao carro, Rita foi ter com Pedro.

-Eu e o Fábio vamos ficar a falar, não te importas?
-Achas? - Perguntou sorrindo. - Até fico orgulhoso de ter sido eu a querer trazer-te aqui e acabar por vos colocar frente a frente para falarem.
-Mais uma vez estou-te muito grata pelo que fizeste.
-Para que servem os amigos, afinal? - Fez-lhe uma pequena festa na face. - Quando acabarem a conversa avisa-me para eu te vir buscar.
-Tu és meu amigo, não meu motorista.
-Não quero que andes de mota enquanto estás no estado em que estás, digamos assim.
-Eu vou engordar com o decorrer da gravidez mas ainda não aconteceu, Pedro. A mota ainda aguenta comigo.
-Vou relembrar-te que a tua moto está em casa porque quem te deu boleia fui eu.
-O Fábio tem o carro, ele dá-me boleia, Pedro.
-Cheira-me que vais é dormir a casa dele.
-Não, está descansado. Vai lá tomar conta da tua grávida, eu já lá apareço! O Raphael vai ficar parvo, estava habituado a um rapaz e de repente aparecem duas raparigas e grávidas!
-Ele voluntariou-se logo para ir dormir para o sofá para tu dormires confortável!
-Quando chegar, eu agradeço-lhe!
-Vai lá falar com o teu rapaz, não te incomodo mais!
-Dá para acreditar que estou nervosa? Depois de tanto tempo juntos?
-É uma conversa importante, mas se ambos tiverem calma e disserem o que está no vosso coração tenho a certeza que vão chegar a um concesso.
-Reza por mim.
-Não precisas disso, sei que vai correr tudo bem e claro que não vais dormir a minha casa.
-Calma, Pedro. Beijinhos. - Deu-lhe um beijo e voltou até junto de Fábio.
-Já com saudades minhas? - Disse aproximando-se de Fábio e ele acenou positivamente com a cabeça e sorriu, depois ela sentou-se entre as suas pernas. -Sabes o que queria agora? Mas sei que é complicado pedir-te.
-Eu sei o que queres. Sei que tens saudades disso, mas tens vergonha de pedir porque tens medo da nossa reação depois disso.
-Mesmo que quisesse não conseguia guardar algo só para mim.
-E consegues guardar esse beijo que tanto me queres dar?
-Acho que conseguia guardá-lo para mim durante algum tempo, porque tenho muitos para te dar ao longo da nossa vida.
-Porque não te calas e me beijas?

Rita estava à espera de ver mais um sorriso na face de Fábio mas foi surpreendida com um beijo. Um beijo romântico e querido, mas com saudade. Um beijo como tinha sido o 1º, com muita ansiedade. Ela sentara-se ao colo dele e colocara as mãos nos seus ombros enquanto Fábio colocava as mãos nas costas da sua namorada. Só separaram os lábios quando o ar começava a escassear e ambos sorriram claramente felizes com aquele beijo, ambos queriam-no tanto! Assim que terminaram, ela encostou-se no peito dele e Fábio colocou o queixo sobre a cabeça dela e ambos ficaram a olhar para o mar, e as recordações começaram a surgir...

(Início de Recordação)
“O despertador tocou á hora prevista e acabou por ser rápido até acordarem e saírem de casa. Mas não sem antes levarem uma toalha, para o caso de alguma eventualidade, visto que iam para a praia. Foram até ao carro e sem Rita dizer nada, Fábio conduziu até à praia, estava deserta e era agradável estarem ali sozinhos, havia alguma claridade, mas ainda não era de dia.

-Que te parece de irmos tomar um banho?
-Que tu és louca!
-Estás a duvidar de mim? – Perguntou fingindo-se admirada por Fábio.
-Não, era incapaz!
-Então anda tomar banho, seu fraquinho! – Rita deu a mão a Fábio e empurrou-o até à beira do mar, pousou a mão sobre as ondas pequeninas á beira-mar. –Queres ver como está boa? – E surpreendendo o próprio atirou-lhe com um pouco de água para cima do amigo, que começou a correr atrás de Rita, que tentou fugir, mas não conseguiu. Pegou-lhe ao colo e levou-a até dentro de água.

Quando lá chegaram ficaram numa zona onde apenas ele conseguia pousar os pés no chão, a água ao contrário do que inicialmente esperavam estava quente, por isso teve de agarrar-se ao corpo dele e tentar admirar a bonita paisagem ou tentar admirá-lo a ele, era uma questão que colocava a si mesma. Era difícil não reparar no físico dele, mas não queria que ele descobrisse por isso, apertou fortemente com medo de se afogar, mas com confiança nele e puderam juntos admirar aquela paisagem que tinha tanto de bonita como de única, assim como o momento que viviam juntos.

(...)
Era o momento mais bonito que estavam a viver juntos e estavam a tentar desfrutá-lo. Sentiam o coração do companheiro a bater e a felicidade bem presente no rosto da outra pessoa, existia uma paz natural nos corações de cada um. E Fábio sabia que era o momento ideal para partilhar o que sentia, sempre tivera medo do momento em que assumia o que sentia, tinha medo que o sentimento não fosse recíproco, que ela se afastasse dele e no fundo de a perder. Mas tinha de arriscar, podia perder tudo mas também podia ganhar tudo.

-Fábio, talvez seja melhor voltarmos. Os meus pais já devem estar á minha espera. – Ele sabia que ela tinha razão e que para ganhar a confiança dos pais da sua amiga tinha de cumprir o que prometera, mas era muito forte o desejo que sentia de prendê-la nos seus braços e não mais largá-la, queria poder ficar ao lado dela até aos últimos dias da sua vida.
-Rita, por favor, só mais um bocadinho. – Suplicou Fábio e Rita não conseguiu resistir.
-Mas é mesmo só mais um bocadinho, sabes que o meu pai está á minha espera. – Disse pousando novamente a mão sobre o peito de Fábio que a agarrou as mãos e olhou para ela.
-Só falta uma coisa para tornar este momento perfeito. – Encheu-se de coragem e disse-o, Rita olhou para ele que sorria e perguntou:
-E porque não o tornas perfeito? – Perguntou envergonhada, mas com coragem de dizer tudo o que sentia e de se sentir ainda mais realizada.
-Porque não sei se também o queres.
-Eu confio em ti Fábio. – Disse pousando a mão sobre os cabelos secos, mas brilhantes dele.
-Tens a certeza? Tu nem sabes o que vou fazer.
-Faço uma pequenina ideia. E sinceramente, não preciso de saber, tal como te disse confio em ti.

Os olhos de ambos brilharam e foi Rita quem tomou a iniciativa de cruzar os seus dedos com os de Fábio dentro de água. Fábio sabia que o que iria fazer podia estragar aquela amizade, podia deixar a amiga desiludida ou magoada, podia afastá-la de si, mas estava disposto a arriscar, afinal ela permitia-o, fora ela que o incentivara-o a fazer, embora não soubesse ao certo o que ele iria fazer.
Fábio aproximou os seus lábios da face de Rita, pousou a mão esquerda sobre a bochecha dela que fechou os olhos sentindo o doce toque do amigo na sua face, aproximou os seus lábios dos dela e respirou durante breves segundos e beijou-a como desejara há imenso tempo, como nunca desejara beijar ninguém.
E Rita nunca hesitou, nunca temeu e sempre confiou em Fábio, deixou-se beijar e sentir todas aquelas sensações únicas, faziam-na ter ainda mais certeza do que sentia por ele. Estava apaixonada. E aquele beijo causara-lhe uma felicidade inexplicável, sentia-se amada como não sentia desde o final de relação com Tiago.
E Fábio sentiu o que nunca havia sentido antes, uma felicidade a sair pelo seu coração de forma inexplicável, uma vontade de não mais soltar Rita dos seus braços, de fazê-la apenas a única mulher da vida dele. Ela era a sua felicidade, o seu porto de abrigo, o seu porto seguro, uma mulher surpreende apesar da tenra idade.
As bocas só se separaram quando o ar começava a escassear, e parecia nada os querer afastar, não queria mais largar-se, nunca mais se afastarem e ficarem unidos como um só. Rita pousou a cabeça sobre o peito de Fábio e as mãos nos ombros dele, que retribuiu o gesto pousando as mãos sobre as costas de Rita e a cabeça sobre a cabeça dela e com a voz meio-rouca e grave disse:

-Sem dúvida que tornaste este momento perfeito. – Disse sorrindo e olhando para o nascer do sol cada vez mais forte.”
(Fim de Recordação)

-Só quero que sejas feliz. - Disse interrompendo o silêncio.
-É por isso que queres que aborte? - Perguntou confusa.
-Sim. - Respondeu calmamente. - Porque sei que vais abdicar de tudo o resto que existe na tua vida para te dedicares a mim e ao nosso filho, a sermos uma família.
-E se eu estiver disposta a abdicar de todos os meus sonhos pela nossa família? Pelo nosso filho? Por ti?
-Serás feliz sim, mas apenas durante um tempo. Tu és independente, és aventureira, mas vais ficar dependente financeiramente de mim, e tu não gostas, nem vais querer isso, mas não te vais sentir bem em deixar o teu filho com outra pessoa. Que nem te vais sentir bem porque criticas as mulheres e namoradas de jogadores que estão em casa e tu vais sentir que estás a fazer o mesmo. E depois vais querer ter mais filhos para te distraíres, e bem, nós impusemos um limite de quatro filhos, tendo em conta que começamos com esta idade, acabávamos com quantos até não puderes ter mais? - Fê-la rir-se.
-Conheces-me muito bem. - Confessou. - Mas se tivesses pensado um pouco saberias que seria incapaz de abortar.
-Se tivesses a certeza que seria o melhor para ti, talvez pensasses nisso.
-Nunca pensaria no que seria melhor para mim, mas sim no que era melhor para ti e no que querias.
-Então porque te falei noutras opções para este bebé e tu reagiste como ambos sabemos?
-Estava à espera de ouvir da boca de toda a gente menos da tua. - Confessou triste. - Sei que em parte estás certo no que disseste, mas sempre acreditei que tudo acontecia por algum motivo e esta gravidez neste momento não é exceção.
-Achas que este bebé veio na altura certa?
-Sim. - Respondeu babada. - Nem mais cedo, nem mais tarde e temos de aproveitar esta oportunidade única de sermos pais.
-Tenho medo de não estar preparado. De te desiludir também.
-Fábio. - Colocou a mão sobre a bochecha dele. - Tu és o melhor namorado que tive até hoje, e és o homem que vai fazer com que realize o meu maior sonho: ser mãe. Vais ser o melhor pai que sabes e consegues, tenho a certeza disso. Não nos vais desiludir. - Rita colocou a mão sobre a sua barriga e Fábio colocou a mão sobre a dela. - Mas se tu não quiseres este filho, temos de ver outras opções, mas não me peças para abortar.
-Eu quero ser pai deste filho. Quero começar a família Madeira Cardoso!
-Tens a certeza que queres que siga com esta gravidez? Que queres ser o pai deste filho? Assim que aceitares, nada do que possas dizer vai mudar a minha opinião de seguir com esta gravidez para a frente.
-Tenho a certeza que quero começar a família Madeira Cardoso, sim tenho! -  Disse feliz e ambos se abraçaram. - Desculpa pelo que te fiz sofrer, acredita que eu só queria fazer-te feliz, queria o melhor para ti e achei que... - Rita interrompeu-o com um beijo.
-Não tens de pedir-me desculpa por fazeres de mim a mulher mais feliz do mundo!

Fábio deu-lhe um abraço forte e um beijo sentido nos lábios, sentia-se todo um misto de emoções em redor do seu corpo e todo o misto delas, o faziam sentir o homem mais incrivelmente sortudo e feliz do mundo, tinha o seu sonho de uma vida realizado: uma mulher que amava profundamente e loucamente (como nunca esperara amar) e um filho a caminho!

-E espero bem que tires da cabeça, a ideia de nos casarmos!
-Sempre sonhei em casar-me com a minha mulher grávida, não resisti!
-Quando estiver grávida da próxima vez, prometo que penso nisso.
-Sabes que sempre sonhei em ter filhos com pouco tempo de diferença, certo?
-Vamos aproveitar este filho e depois logo pensamos em repetir a dose, sim?
-Gostava que fossem gémeos, assim tinha a certeza que ele nunca seria filho único como eu.
-Podes sempre pedir à tua mãe para ter outro filho.
-Pedi durante toda a minha vida e depois de lhe dar a notícia que vou ser pai, ela responde-me que agora já vou ter a criança que tanto queria.
-Achas que vamos ser como os meus pais e ter primeiro a rapariga ou como os teus e ter um rapaz?
-Desconfio que será uma menina.
-Porquê?
-Pressentimento. Sempre ouvi dizer que quando a rapariga é mais velha a relação entre eles é melhor.
-No meu caso, posso comprovar que sim, até porque tenho uma irmã mais velha e um mais novo.
-Acho que está completamente esclarecido quem será o padrinho do nosso bebé. - Colocou a mão em cima da barriga da amada.
-Gostava que a tua prima, a Tânia fosse a madrinha.
-Porquê? Pensei que preferisses a tua irmã.
-Foi graças a ela que foste oferecer a pizza a minha casa quando me mudei, logo ela foi graças a ela que tudo começou.
-Agora tenho de ter especial cuidado com esta gravidez.
-E a primeira atitude será sairmos daqui e irmos para casa.
-Não te importas que vá para tua casa? Se for para a minha preocupo e assusto os meus pais.
-Queres é dormir em conchinha com o teu amor quentinho.
-Não tenho outro amor, na verdade.
-Tens um na barriga. - Colocou a mão em cima da barriga dela. - Mas este tem o tamanho de um feijãozinho.
-Posso cantar-te uma canção? Sei que não tenho muito jeito, mas é uma descrição do que sinto e és para mim.

You're a song (És uma canção)
Written by the hands of God (Escrita pelas mãos de Deus)
Don't get me wrong cause (Não me leves a mal porque)
This might sound to you a bit odd (Isto pode soar um pouco errado)
But you own the place (Mas tu és o lugar)
Where all my thoughts go hiding (Onde todos os meus pensamentos estão escondidos)
And right under your clothes (E debaixo das tuas roupas)
Is where I find them (É onde vou encontrá-los)

Underneath Your Clothes (Debaixo da tua roupa)
There's an endless story (Há uma história sem fim)
There's the man I chose (É o homem que escolhi)
There's my territory (É o meu território)
And all the things I deserve (E todas as coisas que eu mereço)
For being such a good girl honey (Por ser uma boa rapariga)

Because of you (Por tua causa)
I forgot the smart ways to lie (Esqueci-me das maneiras espertas de mentir)
Because of you (Por tua causa)
I'm running out of reasons to cry (Estou a ficar sem motivos para chorar)
When the friends are gone (Quando os amigos forem-se embora)
When the party's over (Quando as festas acabarem)
We will still belong to each other (Continuamos a pertencer um ao outro)

Underneath Your Clothes (Debaixo da tua roupa)
There's an endless story (Há uma história sem fim)
There's the man I chose (É o homem que escolhi)
There's my territory (É o meu território)
And all the things I deserve (E todas as coisas que eu mereço)
For being such a good girl honey (Por ser uma boa rapariga)

I love you more than all that's on the planet (Amo-te mais do que tudo neste planeta)
Movin' talkin' walkin' breathing (Mexer, falar, andar, respirar)
You know it's true (Tu sabes que é verdade)
Oh baby it's so funny (Oh bebé, é tão divertido)
You almost don't believe it (Tu quase não acreditas)
As every voice is hanging from the silence (Como toda a voz depende do silêncio)
Lamps are hanging from the ceiling (E luzes dependem de tetos)
Like a lady tie to her good manners (Como uma senhora e as suas boas maneiras)
I'm tied up to this feeling (Estou amarrada a este sentimento)

Underneath Your Clothes (Debaixo da tua roupa)
There's an endless story (Há uma história sem fim)
There's the man I chose (É o homem que escolhi)
There's my territory (É o meu território)
And all the things I deserve (E todas as coisas que eu mereço)
For being such a good girl honey (Por ser uma boa rapariga)

-Podia dizer-te o quanto te amo, mas acho que vou pensar em formas de o fazer para o resto da minha vida.
-Agora mais do que nunca estamos unidos para o resto da nossa vida, por este bebé.
-Já não estávamos unidos? Agora é só mais uma prova dessa união.
-Claro que sim. Amanhã temos de falar com os meus pais e dizer-lhes o que decidimos.
-E quando os meus pais vierem este fim de semana falamos com eles também.

Como vai correr a conversa com os pais de Rita?

E de Fábio? Será que vão mesmo levar a gravidez para a frente?