quarta-feira, 19 de abril de 2017

Capítulo 46: “És a humanização do que sonhei para mim”


-Não sei se terei coragem de voltar a olhar para os
teus pais, depois de lhes contarmos que estou grávida.

-Achas que os meus pais não têm o mínimo de ideia que o fazemos?

-Vocês até podem falar sobre isso, mas é estranho para mim. Toda esta história de falar sobre dormirmos juntos, incomoda-me falar, entendes?

-Ainda é tudo demasiado recente para ti. Mas tens que te mentalizar que agora todas as pessoas vão saber, afinal estás grávida e não é do Espírito Santo.

-Mas pudemos dizer que sim, ou achas que ninguém acredita?

-Acho que ninguém acreditaria em ti. – Deu-lhe um beijo na cabeça. – Além do mais, eu também quero ser pai, não vou deixar que outro seja pai do meu filho.

-Acho que serás o melhor pai para o meu filho. – Fábio deu um abraço forte à namorada e um beijo sobre a barriga. – Tens preferência num bebé rapaz ou numa bebé?

-Tenho um feeling que será um menino.

-Eu acredito que será uma menina, só para te contrariar.

-Senão me contrariasses, não te amava tanto.

-Ainda me amas mais?

-És uma convencida, sabias?

-Vais dizer que é mentira?

-Pelo contrário, agora ainda te amo mais. E vou amar até ao resto da minha vida.

-Fábio, mas eu tenho medo. Ainda estou grávida de tão pouco tempo e ouve-se tantas histórias de abortos espontâneos até às 12 semanas, que eu tenho medo. Eu simplesmente não aguentava a dor de perdê-lo.

-Vamos fazer uma promessa, sim? – Rita acenou com a cabeça. – Vais ter o dobro do cuidado daqui para a frente, principalmente nestes próximos 2 meses, e nada de mal vai acontecer, vamos acreditar nisso, sim?

-Obrigada por me amares. – Apesar do frio que se fazia sentir, o seu coração parecia bem e aquecido por aquele momento, e em particular por aquele homem. – E por aturares os meus ataques de ciúme, de mau feitio e de dúvida, por não me abandonares e também por seres um bom pai para o meu filho.

-E obrigada por não desistires desta relação e por me deixares ser o pai para o nosso filho mesmo depois de falar em … - Rita colocou o dedo sobre a boca de Fábio, impedindo-o de continuar a conversa.

-Esse assunto está morto e enterrado.

-Mas eu devo-te uma explicação, Rita. Quero explicar-te tudo direitinho.

-Devo ter cuidado durante a gravidez, especialmente nestes próximos 2 meses, e esse assunto dá-me a volta ao estômago, talvez daqui a uns tempos, pode ser?

-Se achas que é o melhor para vocês, tens todo o meu apoio.

-Fábio, que achas de sairmos daqui? Gostava de fazer-te um miminho de reconciliação em casa.

-Porque soou a perversidade?

-Simplesmente porque tu és um perverso! – Riram-se. – Está frio, quero preparar um chá ou um leite quente para nós bebermos e umas torradas, um jantar romântico, mas em forma de ceia e à luz das velas. Uma ceia de reconciliação.

-E se eu te dissesse que não jantei?

-Vamos para casa e eu preparo-te algo para jantar, não podes estar tanto tempo sem comer.

-Tudo o que me parece feito pelas tuas mãos, parece-me fenomenal para se comer. Tens tido alguns enjoos?

-Por estranho que pareça, não. Pensava que os nervos me dessem para vomitar, mas não, apenas fico maldisposta.

-Estou ansiosa por ver essa barriga crescer!

-E estás ansioso por aturar as minhas hormonas descontroladas?

-Nem por isso, mas estou disposto a perceber como serás. Tenho a certeza que será como andar sobre areia movediça.

-Vou tentar controlar-me, mas a adolescência e a gravidez vão falar demasiado alto, por vezes.

-Amo-te, apesar disso e de tudo o resto, sabias?

-Da mesma forma que te amo?

-Um milhão de vezes mais.

Rita deu um beijo nos lábios de Fábio e ele começou a cantar uma canção.

What would I do without your smart mouth (O que faria sem a tua boca esperta?)
Dragging me in and you kicking me out (Estou a arrastar-me e tu estás a dispensar-me)
Got my head spinning, no kidding (Tenho a cabeça à roda, sem brincadeira)
I can't pin you down (Não te posso forçar a nada)
What's going on in that beautiful mind (O que se passa na tua cabeça bonita?)
I'm on your magical mystery ride (Estou a passar pelo teu mágico mistério)
And I'm so dizzy, don't know what hit me (E estou tão confuso que não sei o que me atingiu)
But I'll be alright (Mas vou ficar bem)

My head's under water (A minha cabeça está debaixo de água)
But I'm breathing fine (Mas estou a respirar bem)
You're crazy and I'm out of my mind (Tu és louca e eu estou fora de controle)

'Cause all of me (Porque tudo de mim)
Loves all of you (Ama tudo de ti)
Love your curves and all your edges (Amo as tuas curvas e os teus limites)
All your perfect imperfections (Todas as tuas perfeitas imperfeições)
Give your all to me (Dá-me tudo de ti)
I'll give my all to you (Eu dou-te o meu todo)
You're my end and my beginning (Tu és o meu fim e o meu começo)
Even when I lose I'm winning (Mesmo quando estou a perder, estou a ganhar)
'Cause I give you all of me (Porque te dou tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de ti)

How many times do I have to tell you (Quantas vezes tenho de dizer-te)
Even when you're crying you're beautiful too (Mesmo quando tu choras, continuas linda)
The world is beating you down (O mundo está a massacrar-te)
I'm around through every mood (Estou por perto a todo o momento)
You're my downfall, you're my muse (Tu és a minha ruína, és a minha musa)
My worst distraction, my rhythm and blues (A minha pior distração, o meu ritmo e tristeza)
I can't stop singing (Não consigo parar de cantar)
It's ringing, in my head for you (Está a tocar uma música na minha cabeça para ti)

Cards on the table, we're both showing hearts (As cartas estão na mesa, estamos a mostrar os nossos corações)
Risking it all, though it's hard (Arriscar tudo, apesar de ser difícil)

'Cause all of me (Porque tudo de mim)
Loves all of you (Ama tudo de ti)
Love your curves and all your edges (Amo as tuas curvas e os teus limites)
All your perfect imperfections (Todas as tuas perfeitas imperfeições)
Give your all to me (Dá-me tudo de ti)
I'll give my all to you (Eu dou-te o meu todo)
You're my end and my beginning (Tu és o meu fim e o meu começo)
Even when I lose I'm winning (Mesmo quando estou a perder, estou a ganhar)
'Cause I give you all of me (Porque te dou tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de ti)

I give you all of me (Dou-te tudo de mim)
And you give me all of you oh (E tu dás-me tudo de mim)

-Senão te amasse tanto, dir-te-ia que acabaste de estragar uma música linda.

-Lamento informar-te, mas também não és propriamente a Shakira.

-Mas o que importa é o sentimento, não é verdade?

-Podes crer. – Deram um beijo à esquimó. – Vamos para casa.

-Sabes que me vou sentar no teu carro e vou rir-me
que nem uma maluquinha ao lembrar-me que foi ali que fizemos o nosso filho.

-Acho que vamos deixar este pormenor vamos deixar apenas para nós, que te parece?

-A melhor ideia! - Sorriram e continuaram o caminho para o carro. – E acho que devias fazer uma limpeza ao interior do carro, só por acaso.

-Acho que é melhor deixarmos isso para quando tiveres no final da gravidez e termos a certeza que não entramos em pecado.

-E a provocadora sou eu! – Sentaram-se no carro e a rapariga começou a rir-se. – E se voltas a insinuar que isto é só sexo e festa, aviso-te já que ficas duas semanas a pão e água.

-Não me resistirias durante tanto tempo.

-Caso não te lembres, desde que nos conhecemos até que ficaste com o meu bem mais precioso, passou mais de 1 mês.

-Mas isso era antes de conhecer, o sabor do fruto proibido. Depois de provares não queres outra coisa.

-Convencido.

-É mentira?

-Vou cantar-te uma música que se adapta bem ao que acho.

You know just what to say (Tu sabes exatamente o que dizer)
Things that scare me (Coisas que me assustam)
I should just walk away (Eu devia apenas afastar-me)
But I can't move my feet (Mas não consigo mexer os meus pés)
The more that I know you (Quanto mais te conheço)
The more I want to (Mais quero)
Something inside me's changed (Algo dentro de mim mudou)
I was so much younger yesterday (Eu era bem mais nova ontem)

I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)
Don't need no butterflies (Não preciso de borboletas)
When you give me the whole damn zoo (Quando tu me dás todo o zoo)
By the way (Já agora)
By the way, you do things to my body (Já agora, tu fazes coisas com o meu corpo)
I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)

By the way, by the way, you do things to my body (Já agora, já agora, tu fazes coisas com o meu corpo)
I didn't know that I was starving till I tasted you (Eu não sabia que estava esfomeada até te provar)

You know just how to make (Tu sabes exatamente como o fazer)
My heart beat faster (O meu coração bate rápido)
Emotional earthquake (Terramoto emocional)
Bring on disaster (Podes trazer o desastre)
You hit me hard and got me weak on my knees (Atingiste-me em cheio e deixaste-me com os meus joelhos fracos)
And something inside me is changed (E algo dentro de mim mudou)
I was so much younger yesterday (Era bem mais nova ontem)
So much younger yesterday (Bem mais nova ontem)

-Por estares tão faminta, é que acabaste grávida.

-Por seres tão apetecível é que acabei grávida.  

-Este charme nasceu comigo, o que posso fazer?

-Isso é mentira, já vi fotos tuas quando eras mais novo e não eras o gato que és hoje.

-Sou como o vinho do Porto, quanto mais velho, melhor!

-Espero que o nosso filho não saia a ti quando em criança, mas que seja lindo como a mãe sempre foi e será.

-Que tenha a fome da mãe, porque ter bocas como eu a comer, seria um prejuízo enorme.

-Por falar em fome…

-Tens fome, não é verdade?

-Alguma vez, não terei?

-Vou preparar qualquer coisa para jantares.

-Mas tens de comer comigo, quero a minha mulher e o meu filho bem alimentados!

-Está descansado, Fábio Rafael! E já agora, adorei chamares-me a tua mulher!

-Só porque não somos casados, não quer dizer que não sejas a minha mulher.

-E tu pediste-me em casamento e eu mandei-te dar uma curva, lembras-te?

-Já me destes tantas negas que já perdi a conta das vezes!

-Não quero casar-me com 18 anos, aliás não faço questão e não quero casar antes dos 25 anos.

-Mas pudemos ficar noivos agora e só pensar nisso daqui a uns anos.   

-Vamos aproveitar do nosso namoro ao máximo, sou da ideia que quando sentirmos que é o momento certo para dar esse passo, tu vais perceber e pedir-me em casamento.

-Queres ser pedida em casamento? Como manda a tradição?

-Sim, quero tudo a que tenho direito. – Sorriu. – E antes de me pedires em casamento, quero que fales com os meus pais, não porque sou antiquada, mas porque tu prometeste que ias ser só meu amigo e avisaste quando me pediste em namoro, portanto avisas aquando o casamento.

-Então também devia ter dado a notícia que te engravidei.

-Eles acabaram por descobrir. E tenho medo dessa conversa que tenha com eles, por um lado vão chorar, mas também vão dizer que devíamos ter tido cuidado e vão falar-me em aborto e noutras opções e eu não sei se terei coragem para dizer o que quer que seja quanto ao meu filho.

-Será uma conversa a quatro, Rita. Nem devíamos considerar esta gravidez um erro, mas sim uma dádiva, quantos pais queriam ter filhos e não os conseguem ter? Nós somos uns sortudos porque aconteceu e tenho a certeza que seremos os melhores pais que conseguirmos e soubermos, vamos ter o apoio dos nossos pais e com o tempo vamos aprender tudo o que precisarmos, ninguém nasceu ensinado. Claro que os nossos pais vão explicar todas as ideias deles, pôr as ideias em cima da mesa, mas é uma opinião deles, a nossa vale muito mais, a última decisão é nossa e só nossa.

-Gostava de ter a tua confiança e a tua garra por lutares pelo nosso filho contra quem amamos tanto.

-Achas que estou calmo e sereno com a ideia? Estou numa pilha de nervos! Nunca me senti tão nervoso na minha vida, mas foi a nossa conversa e a tua vontade de ser mãe e de formarmos a nossa família que me faz crer lutar assim.

-É por isso que te admiro, por todas as tuas qualidades e por todos os teus defeitos, por tudo o que és para mim e por nós. Porque não és o homem dos meus sonhos, mas és a humanização do que idealizei para mim.

-E tu és a mulher com que eu sempre sonhei, mas nunca pensei vir a ter.

-Amo-te! -  Deram um beijo. – Mas já chega de mel, põe a mesa para os dois.

-Hormonas?

-Tens sorte de não começar a chorar com as tuas declarações de amor!

-Tu é que te declaraste primeiro!

-Quem tentou dar o primeiro beijo? Tu! Quem deu o primeiro beijo? Tu! Quem se declarou primeiro? Tu! Quem pediu em namoro? Tu! Portanto, a culpa é tua e somente tua!

-Depois do jantar, eu dou-te o arroz! – Disse o rapaz provocando-a e sorrindo.

-Espero bem é que me dês quente na tua cama, estou gelada!

-Tu és gelada! - Corrigiu. – Confesso que te amo, mas nestes dias gelados adorava que não dormisses comigo.

-Estás a habilitar-te a ires dormir para o sofá.

-Estou em minha casa e ainda tenho de ir dormir fora da minha cama?

-Tens a cama no outro quarto, não precisas de dormir no sofá. E já agora, quando o nosso bebé nascer, será a nossa casa.

-Estou ansioso por esse dia.

-Pelo dia em que não terás espaço para dormir porque tens um pequeno na cama também? Ou porque terás de acordar a meio da noite para lhe mudar a fralda? Ou mesmo antes disso, em que tenha uma barriga tão grande que não terei posição para dormir e vais ficar apertado na cama?

-Nesse dia compro uma cama maior porque não quero deixar de dormir contigo por nada.

-Anda comigo para a cama, quero mimar-te.

-Temos de levantar a mesa primeiro.

-Amanhã tratamos disso, agora vamos aproveitar para matar saudades. – Deu-lhe a mão e levou-o até ao quarto, onde mataram saudades…


Como será a conversa com os pais de Rita?

E com os pais de Fábio? Será que vai correr bem?

Sem comentários:

Enviar um comentário